7.8.18


Poesia - Sentimentos absolutos
                                                      Iracema Crateús
Sentimentos absolutos vagueiam nas artérias,
E ultrapassam lentes oculares,
Que repousa nos labirintos dos pensamentos,
Logo se transformam em arco-íris sorridentes.

E, a preponderância deles produzem lágrimas,
Em proporções veementemente límpidas e felizes.
Pois, desses apoucados sentimentos desabrocham sonhos.
Fica evidente que não são escolhidos, eles são aflorados.

Logo a sensibilidade exubera-se de acordo com os olhares,
      Pois se adentra na alma e se faz acalentadora dos devaneios.
Sonhos que se sentimentalizam, porém não se dissipam,
Nem se petrificam, mas cristalizam-se em absolutos sentimentos.

24.9.17

Outubro   

                                                . Iracema Crateús

Ou das duvidas e das letras nos verbetes,
Ou das alternâncias dos valores entre indivíduos,
Sejam em tribos ou grupos sociais.
Outubro das florações já chegou,
É a décima parte da escala anual.
Outubraremos com esperanças,
Exalando alegria e atraindo outros sonhos
Para logo, logo dezembriarmos de felicidade.
Chegue outubro, venha com ares primaveris,
Colori meus pensamentos com tintas reluzentes,
Mas, não se esqueça de pincelar meus caminhos,
E derramar orvalhos matinais por sobre eles.
Pois, quando dezembro chegar, a outubro agradecerei.

26.7.17

Poema  - Tratados do viver
                                            Iracema Crateús

Vida apresenta alguns tratados.
Tratado do viver sem economizar sentimentos,
Tratado da felicidade sem medir intensidade,
Tratado da coragem para desconstruir incertezas,
Tratado da alegria quebrará indiferenças,
Tratado da paz que universalizará corações,
Tratado dos desejos personificará sonhos,
Tratado da amizade solidificará irmandade,
Tratado de fé materializará Deus a todos que creem.
Vê-se na vida os mais diversos tratados,
Eis que inspiram outros e outros,
A formarem espirais de solares venturas.

8.4.17

Poema -  Depois de vários depois...                                                      

                                             Iracema Crateús  (09/04/17)
Depois de honoríficas utopias,
Depois de trabalhar feliz e com fé,
Depois que sucumbir as gargalhadas,
Porque não sorrir apenas com os olhos?

Depois de caminhar pela retidão dos valores,
Depois de silenciar diante das críticas,
Depois de apalpar os sonhos,
É necessário desvendar o desconhecido?

Depois de algumas incertezas,
Depois da ausência do altruísmo,
Depois das inconscientes carências,
Porque não promover o acolhimento?

Depois de tombos invisíveis,
Depois do imaginário vazio,
Depois de múltiplos olhares,
Porque vivenciar as inquietações?

Depois de curtos passos,
Depois de palavras ao vento,
Depois de desejos fragmentados,
Porque acreditar no fatalismo?

Depois de adentrar nos labirintos,
Depois de conjecturar a própria invisibilidade,
Depois de esfacelar as hematitas interiores,
Quais emoções deverão ser alforriadas?   






25.12.16









23.12.16





TIAGO CRATEÚS,


O aniversário é comparado ao Natal. As esperanças são renovadas, as alegrias ressurgem para cintilar o dia, os desejos são mentalizados, as amizades são manifestadas através de tantos afetos e mimos, todos brilhos se confundem com os sorrisos.
    
Segundo Fernando Pessoa,          “Não importa se a estação do ano muda...
                                                   Se o século vira, se o milênio é outro.
                                                   Se a idade aumenta...
                                                   Conserva a vontade de viver,
                                                   Não se chega a parte alguma sem ela.”

Completando as palavras de Pessoa, afirmo “a vontade de viver e de ser feliz”, energia propulsora que nos fazem serem “mais” dentro do “menos” que somos e possuímos. Feliz Aniversário!!!

Eu te amo e desejo a maior felicidade do mundo – Iracema – Dinha.

                                          23.12.2016

1.12.16



DEZEMBRO
                                                                     Iracema Crateús
Creio que dezembro seja o mês azul-verão,
Talvez pense nessa cor pelo céu-azul-sertão,
Período bastante saudosista e talvez meramente contemplativo,
Pois,  deixam-se os rastros natalinos povoarem festivos
Nas mentes infantis, juvenis e também de outros rincões.

E clamam em conjunto com os sinos a felicidade natalina, 
Mas também a alegria do menino nascente,
Ainda suplicam a paz viva, a paz celebrante, a paz contagiante.
E nesse clima cantarolam: "já nasceu o menino Deus", 
Lembre-se de que ele cresceu e assim espera atitudes humanitárias.

Como contemplar o mês doze com as doze dezembralizações:
Solidariedade, fraternidade, fidelidade, honestidade, amabilidade,
Responsabilidade, caridade, seriedade, humildade, igualdade,
Sem esquecer da lealdade e a liberdade para todos e com todos.

Dezembralizar  é voltar-se ao infinito interior sem constrangimento
E desenvolver as mais sutis contemplações sobre ações diárias,
E poder aspirar os aromas que se exalam das flores,
E ainda  expelir o doce através das palavras e dos afetos.