23.5.09

Musicais
Nos compassos existenciais das músicas,
Sonhos e pensamentos lúbricos volatizam.
Estes sons arrastam vidas de forma mística.
Crescem toadas bem cadenciadas e vão circulando pelos ares.
Notas sonoras rolam uma por uma embalando o dilúculo,
Que se misturam à rustezas dos sons.
As palavras viram sons,
Os sons são vozes,
As vozes são concertos.
E a música está na vida
Como a vida está nos sons.

Iracema

1.5.09

O meu querer

Grandes sonhos por mim impetrados,
Crescem nas aprazíveis forças interiores,
Que gritam repetidamente e fortemente:
Quero dos bosques, a pureza do ar,
Quero do entardecer, a serena beleza,
Quero do amor, a força que inebria,
Quero da criança, o sorriso que enleva,
Quero do adolescente, as suas fantasias doidivanas,
Quero do jovem, a vitalidade e a sinceridade,
Quero do amanhecer , a sua brisa escaldante,
Quero das estrelas, o brilho incandescente,
Quero das cascatas, a sua limpidez cristálica,
Quero da fé, a certeza do milagre,
Quero da vida, a esperança e a primazia do recontro.

Iracema


Um habitat mineiro

Pedras, penhasco, pedreiras
Ornam de mineira pujante esta beleza,
Cobrindo com altivez aquela cidade de Minas.
desformando menina grande e a mente
desta forateira que a consagra como seu habitat.
Rápidos são raios de seu fulgurante sol.
Brilhando nos olhos cristalinos de seus patricios.
Pé a pé, passo a passo, assim, vai férrea corrente,
Com sorrisos abertos,
Abraços largos e intensos,
Olhares tórpidos e turbulentos,
Passos dilatados e afoitos,
Para sinalizar que o imenso sonho
sobressairá sempre naquele concelho de azuis calhaus.

Iracema